Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2013

É dois de Fevereiro, é dia de Iemanjá!!!

Imagem
Prof.ª Josi Brandão
Redação d'O Historiante.


Os primeiros negros escravos teriam chegado ao Brasil em 1537. Oficialmente, no entanto, o tráfico de escravos africanos começou para valer a partir de 1551 e estendeu-se até a metade do século XIX. Assim, pode-se muito bem dizer que na velha Salvador e no Recôncavo nada há de valor histórico que não tenha um pouco do suor, do sangue e do saber dos povos vindos da África.

Livro - O Xangô de Baker Street

Imagem
Prof. Lucas Adriel S. de Almeida Redação d' O Historiante


O romance “O Xangô de Baker Street” - de autoria de Jô Soares, lançado pelo Companhia das Letras - em seu desenrolar mistura humor e erudição (características da personalidade do autor) com alguns elementos componentes da sociedade brasileira nos tempos do império. A história do livro se passa no centro político do país, a cidade do Rio de Janeiro, e temporalmente se localiza nos finais do período imperial (O Segundo Reinado). Apresenta o cotidiano das elites desta cidade, impregnado de exacerbada devoção aos costumes europeus, mais precisamente da Europa ocidental. Tais elites, ávidas em se assemelharem ao que acreditavam ser um povo “civilizado” (os europeus), sustentavam seu conceito de civilização no que entendemos hoje como Darwinismo Social. Tal perspectiva caracteriza também uma corte e suas elites, demasiadamente preconceituosas e eurocêntricas.

Copa São Paulo de Futebol Junior: entre heróis e vilões uma responsabilidade precoce.

Imagem
Prof. André Araújo Redação d'O Historiante


Disputada desde o ano de 1969, a Copa São Paulo de Futebol Junior, competição que era organizada pela prefeitura de São Paulo e não pela FPF (Federação Paulista de Futebol) é hoje uma das maiores vitrines do futebol das Américas. Criada para ser um evento comemorativo do aniversário da cidade de São Paulo (25 de janeiro), o evento tem o formato de disputa com times de divisão de base devido o período do evento ser justamente o momento em que os clubes profissionais dão férias aos seus jogadores profissionais. Diante deste empecilho, a solução encontrada foi “usar” os juvenis. Pois é, não se enganem! Não foi para promover o esporte, saúde e integrar os nossos jovens, foi por uma questão digamos que de mercado.

Escolhas, caminhos, decisões.

Imagem
Prof. Pablo Michel Magalhães
Redação d'O Historiante


Sempre gostei de revisitar alguns clássicos cinematográficos. Não sei ao certo porquê, mas gosto do estilo de direção de filmes das décadas de 1980 e 1990. Acredito que muitas obras desse período conseguiam captar os anseios e expectativas de uma geração. O que nos espera lá fora, além das paredes de casa? O que fazer quando não se sabe ao certo o quê esperam de você?

Liberdade de imprensa ou sensacionalismo? As manipulações midiáticas.

Imagem
Prof. Pablo Michel Magalhães
Redação d'O Historiante


Há um princípio que devemos prezar e fomentar: a imprensa deve ser livre, para que possa atuar em sua plenitude. Entretanto, até que ponto essa liberdade pode ser confundida com sensacionalismo barato? Acredito que a sensatez deva atuar como filtro para que possamos produzir bons trabalhos. Porém, quando a vontade de obter audiência é superior aos sentimentos dos envolvidos, o que dizer? Como agir? É incrível como nossa TV aberta vomita a todo momento exemplos desse tipo.

"O preço que se paga às vezes é alto demais"

Imagem
Prof. Lucas Adriel S. de Almeida  Redação d'O Historiante



Na Roma antiga, a chamada “política do pão e circo” foi utilizada para “desviar” a atenção das pessoas da real situação na qual estavam submetidas.  Os grandes espetáculos, aliados a distribuição de pão em meio ao entretenimento proporcionado, conseguiram manter as pessoas alienadas em face das desigualdades sociais e da pouca ou nula mobilidade social da época. Logicamente, essa política se conjugava a alguns outros fatores estruturais da sociedade da Roma Antiga para compor o sistema. Mas estes eram outros tempos, pode-se dizer. Até concordo que os tempos eram outros, mas se observarmos cuidadosamente, veremos que algumas coisas realmente mudaram, outras não.

Filmes - Bastardos Inglórios

Imagem
Prof. Carl Lima Redação d' O Historiante





Quem é o diretor capaz de nos encantar com os Nazistas e toda uma prática de perseguição aos Judeus? Da mesma forma que nos encanta também com um militar americano sanguinário e com fortes traços de psicopatia numa contra-ofensiva aos Nazistas? Só poderia ser ele: Quentin Tarantino. 

Indicação do leitor - O incrível exército de Brancaleone

Imagem
Carolina Abreu Maciel
Leitora do Historiante



Período abordado: Idade Média
Sinopse: Brancaleone de Norcia é um cavaleiro errante que é contratado como líder de um pequeno e diversificado grupo que roubaram um pergaminho que lhes dava a posse do reino de Aurocastro. Mas a viagem até esse suposto reino dos sonhos é muito mais tortuosa que planejada.
A História é uma das disciplinas que mais se utilizam do cinema em suas aulas, já que muitos filmes são produzidos com as temáticas históricas, por um lado isso é ótimo, pela diversidade de possibilidades que o cinema nos proporciona, mas por outro nós professores devemos ter bastante cuidado de como vamos apresentar o filme aos nossos alunos. Devemos ter em mente que muitos dos discentes ao assistirem um filme histórico podem cair no erro de achar que o fato narrado no filme é de total veracidade, além dos anacronismos presentes em muitas dessas produções.Por isso, o papel do professor é de mediador entre o filme e os alunos, buscando articul…

Indicação do leitor - Downton Abbey

Imagem
Rafael de Oliveira Cruz
Leitor do Historiante



O historiador francês Yves-Bercé costuma dizer que, nos países que perderam as suas monarquias, um sentimento de nostalgia continua a contagiar, mesmo alguns anos. A monarquia e a aristocracia britânica deslumbram por causa de sua pompa, atraindo para si comentários favoráveis ou não. Nesse meio de revival aristocrático, a série Downton Abbey tornou-se um instrumento muito interessante para aprofundamento de questões sobre o mundo da Belle-Époque, Primeira Guerra Mundial e o período que se passa durante o entre guerras. Criada e idealizada por Julian Fellowes e produzida pela Carnival Films para o canal britânico ITv, Downton Abbey começa sua história a partir do ano de 1912, com a notícia do naufrágio do transatlântico Titanic, e que provoca uma série de problemas na sucessão do título e das propriedades de Robert Crawley, conde de Grantham.

Filmes - Invictus

Imagem
Prof. Lucas Adriel Silva de Almeida Redação d’O Historiante


“Passeando”, dias atrás, pelos canais de esporte na TV, me deparei com um jogo de rúgbi. A curiosidade me fez parar e tentar entender as regras desse esporte, que me era praticamente desconhecido naquele momento. Mas a partida em questão me lembrou um filme, produzido nos EUA, no ano de 2009, que a pouco tinha assistido, chamado Invictus, com a direção de Clint Eastwood. Em seu elenco, o filme conta com o renomado atorMorgan Freeman, no papel de Nelson Mandela. A obra tem ainda Matt Damon como Francois Pienaar, que interpreta o capitão da equipe sul-africana de rúgbi. 

Filmes - O último dos Moicanos

Imagem
Profº André Araújo Redação d’O historiante



O último biscoito, a última cerveja, o último pedaço de carne do churrasco em família, a última pessoa escolhida para times de futebol de rua, a última matéria que falta para ser concluído um ano letivo, a última disciplina para terminar um semestre da universidade. Sim, em algum momento de nossas vidas nos deparamos com alguma dessas situações. E, vez por outra, surge o nome de um filme que se tornou uma frase feita, uma introdução ou desfecho para piadas rápidas que nomeia estes objetos, estas pessoas, esses eventos derradeiros. Sim, isso mesmo! O Último dos Moicanos.

Filmes - Revolução Francesa

Imagem
Prof. Pablo Michel Magalhães
Redação d'O Historiante



Assistir a um filme é uma boa maneira de se divertir e aprender; em sala de aula, as obras cinematográficas podem se tornar ótimas ferramentas para o ensino. Assim, para os estudos sobre a Revolução Francesa, há duas sugestões de ótimos filmes, que apresentam duas visões sobre o evento. 

Filmes - Central do Brasil

Imagem
Prof.ª Josi Brandão
Redação d'O Historiante



Neste ano de 2013, o filme Central do Brasil, com direção de Walter Salles, completa quinze anos de lançamento, com Fernanda Montenegro no emocionante papel de Dora, uma mulher que ganha a vida escrevendo cartas para analfabetos na estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro, e conhece um menino, o Josué (Vinicius de Oliveira), que tem a sua mãe morta num atropelamento e quer conhecer o pai que mora no sertão do nordeste. A partir daí, eles compartilham uma amizade onde Dora acaba se envolvendo maternalmente com o garoto, assumindo a historia dele, ajudando o garoto a encontrar o seu pai e seus familiares. O filme retrata, também, a vida de pessoas que migram pelo país na tentativa de conseguir melhores condições de vida.

Filmes - Dança com Lobos

Imagem
Prof. Lucas Adriel S. de Almeida Redação d' OHistoriante




Dança com Lobos - filme produzido nos EUA em 1990 - é dirigido e estrelado por Kevin Costner. O personagem interpretado por Costner é John Dunbar que, após uma batalha durante a Guerra Civil Americana, é recebido como herói e resolve servir numa região habitada por índios da tribo Sioux.