Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2012

Ilhas de concreto e os sóis de dezembro.

Imagem
Prof. Pablo Michel Magalhães
Redação d'O Historiante



Nunca um plural caiu tão bem numa frase.

A propósito, entendeu o título da postagem? Teve aquele insight ao ler?

Tudo bem. Vamos trocar em miúdos, pra conta ficar mais simples.


HUGO CHÁVEZ E A DEMOCRACIA NA VENEZUELA

Imagem
Prof. Josi Brandão
Redação d'O Historiante


O líder socialista da América Latina encontra-se novamente em Cuba para enfrentar mais uma cirurgia contra um câncer, cuja localização jamais foi revelada, e ainda por cima, enfrenta um pós-operatório complicado. Esta foi a quarta intervenção cirúrgica desde 2011. Só que, desta vez com um agravante maior: o caráter muito sério da situação é confirmado pelo fato de Chávez ter anunciado oficialmente o nome de seu sucessor, pois em nenhuma das ausências anteriores ele insinuou a possibilidade de um. Fez isso antes de partir para Cuba, nomeando Nicolas Maduro, de 50 anos, que é vice-presidente e ministro das Relações Exteriores da Venezuela e seu amigo particular de longa data.

Livro – 1968 - O Ano que não terminou: A aventura de uma Geração

Imagem
Prof. Carlos Alberto Alves Lima
Redação d'OHistoriante





Réveillon de 1968, a jovem intelectualidade brasileira reunida na casa de Heloisa Buarque de Holanda – a cantora Miúcha – comemorando e discutindo a conjuntura do país e tentando de alguma forma compreender o que se avizinhava para o futuro próximo.
É nesse cenário que começa a narração, ora jornalística, ora poética, de um daqueles que viveram conscientemente todo o processo da Ditadura Civil/militar que assolou o Brasil por longos 21 anos, Zuenir Ventura. A vivência como protagonista dos acontecimentos lhe rendeu, como bom escriba, a construção do clássico: 1968 - o ano que não terminou: A aventura de uma Geração.

Filmes - A jovem rainha Vitória

Imagem
Prof. Pablo Michel Magalhães
Redação d'O Historiante


Com um reinado que perdurou durante 6 décadas e 4 anos, Alexandrina Vitória Regina, a rainha Vitória, foi uma das soberanas inglesas que mais tempo ocuparam o trono da Inglaterra (ao lado de Elisabeth I, com 45 anos de reinado, e Elisabeth II, atual rainha, com 60 anos envergando a coroa inglesa).
Em seu período de governo, posteriormente conhecido como Era Vitoriana, o Reino Unido assistiu à ascensão burguesa mercantil e a construção de uma política internacional à qual chamamos de colonialista, marcada pela ideia de expansão colonial inglesa na África e na Ásia. Muito por essa visão, a Inglaterra protagonizou conflitos (de claro interesse extrativista/comercial/colonial) como a Guerra da Crimeia (1853-1856) e a Guerra dos Boers na África do Sul (1899-1901).