Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2013

Sobre descaso e lágrimas: documentos, lixo e memória.

Imagem
Prof. Pablo Michel Magalhães
Redação d'O Historiante


Gosto da minha profissão. Adoro me debruçar sobre fontes e imaginar ações, eventos, momentos, histórias, possibilidades. Sinto-me desafiado a cada momento, e é isso que me movimenta: a constante superação, o constante aprender, fugindo do lugar comum e da monotonia. Acima de tudo, me satisfaz a ideia de que estou construindo conhecimento a cada nova pesquisa, e que isso, ainda que tão pequeno e tão simples, vai ajudar várias outras pessoas a encontrar e trilhar seus próprios caminhos, seja lá quais forem.
Talvez por isso me entristeça com o descaso ao qual são relegados vários dos acervos documentais que conheço, bem como, em alguns casos, a total inexistência inclusive de locais preparados para receber os vários documentos memoriais e históricos para conservação. De certo, não há como negar que no país, o mínimo de atenção é dispensada à educação, e a História entra nesse bojo, infelizmente; do mesmo modo, não posso negar, tamb…

O Rasta responde nº1 - Futebol, política e 2ª Guerra Mundial

Imagem

Observatório nº 1 Black blocs e anarquismo

Imagem

Livro - "Garotas tricolores, Deusas fardadas: as Normalistas em Feira de Santana (1925-1945)", de Ione Celeste de Sousa.

Imagem
Prof. Carl Lima Redação d'O Historiante

Garotas Tricolores, Deusas Fardadas: as Normalistas em Feira de Santana (1925-1945), inicialmente dissertação de mestrado defendida no programa de pós-graduação (PPGHS) da PUC-SP, tem como objeto central o estudo da Escola Normal de Feira de Santana, e a relação desta com o município que acabara de conforma-se como a segunda maior cidade do Estado da Bahia e que ostentava a fama de modernidade e progresso que lhe garantiam o  posto de “Princesa do Sertão”. O trabalho da professora Ione Celeste tem um caráter extremamente relacional, tanto no que tange a Feira de Santana e o projeto  moderno/civilizatório, emanado pela recém instalada república, quanto no que condiz a Princesa do Sertão e a própria  unidade escolar.