Filmes - Bastardos Inglórios


Prof. Carl Lima
Redação d' O Historiante





Quem é o diretor capaz de nos encantar com os Nazistas e toda uma prática de perseguição aos Judeus? Da mesma forma que nos encanta também com um militar americano sanguinário e com fortes traços de psicopatia numa contra-ofensiva aos Nazistas? Só poderia ser ele: Quentin Tarantino. 

Cineasta e roteirista americano aclamado pela crítica como o mais criativo e surpreendente de sua geração. Ao longo de suas oito produções, dentre os quais alguns já clássicos (Cães de Aluguel, Pulp Fiction, Kill Bill), nos brinda, respectivamente, com o Coronel da SS Hans Landa (Christoph Waltz) com o militar Judaico/americano Aldo Raine (Brad Pitt), em seu forte, humorado e altamente violento Bastardos Inglórios. Produzido em 2009, o próprio diretor afirma que esse é a primeira parte de uma Trilogia, composta por Django Livre – nos cinemas – e Killer Crow – apenas o roteiro escrito. Essa seqüência fílmica tem como marca a visão de acontecimentos Históricos de grande repercussão. Assim, Bastardos Inglórios coloca em questão os acontecimento da IIª Grande Guerra Mundial (1939-1945), particularmente na França tomada pelos Nazistas –República de Vichy – narrando os acontecimentos a partir de três ângulos: 1º, a formação do grupo armado e violento liderado por Aldo Raine, denominado de "os Bastardos Inglórios", que tem o objetivo de desembarcar na Europa e vingar-se da maneira mais cruel possível dos Nazistas; 2º, o talento indefectível de Hans Landa na caçada aos últimos judeus que se escondem em áreas rurais; 3º, em uma dessas caçadas ocorre o massacre de uma família judia, no entanto, uma sobrevivente, Shosanna Dreyfuss (Mélanie Laurent) foge para Paris e se disfarça de proprietária de um cinema. Justamente nesse espaço, ocorrerá o grande encontro entre as três personagens, cada uma buscando colocar sua verdade e consolidar suas missões.

Uma obra-prima que contribui para repensarmos o lugar dos sujeitos que participaram ativamente da grande guerra. Para Tarantino, os personagens, tal qual o seres humanos, são complexos, múltiplos e de alguma forma contraditórios. Assim, iremos encontrar: Nazistas engraçados/humorados e humanos; Judeus violentos/sádicos/vingativos.

Buscar as construções históricas nas desconstruções de verdades é uma tarefa das mais árduas e prazerosas para quem trabalha com o conhecimento, seja um diretor renomado, seja um professor/educador de nossa educação básica. Quentin Tarantino conseguiu essa proeza em sua película. E você, educador, consegue na exibição do mesmo? 


Clique aqui e faça o download do filme.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro - "A vida Verdadeira de Domingos Xavier", de José Luandino Vieira

Educação doméstica X Educação escolar no Brasil: desafios, conflitos e perspectivas.

" Todos iguais... uns mais iguais que os outros"