Filmes - Arquitetura da destruição



Prof. Pablo Michel Magalhães
Redação d'O Historiante


O mito da raça ariana cultuada em todo o seu potencial. O culto às formas soberanas e divinizantes da arte alemã inspirada nos clássicos greco-romanos. O elogio à honra e à coragem medievais, num misto de exultação e êxtase. Eis aí uma tentativa de definir a produção artística do IIIº Reich de Hitler na Alemanha nazista. Para o führer, a soberania dos povos germânicos estaria diretamente relacionada à superioridade, beleza e harmonia de suas pinturas, produções literárias, cinematográficas, dentre diversas outras expressões artísticas.

O documentário de Peter Cohen, Arquitetura da destruição, fornece uma tentativa de reconstrução desta ideologia de purificação racial e supremacia ariana por meio de imagens e vídeos, abordando desde a obsessão artística de Hitler, até as práticas eugênicas empreendidas pelos médicos nazistas na Alemanha, entre as décadas de 1930 e 1940. Com uma perspicácia que lhe é característica, Cohen trafega por aquilo que podemos identificar como um grande esforço ideológico/cultural/político de "melhorar", "purificar" e "higienizar" a raça alemã. É nesse contexto que o diretor vai tratar a ideia de eutanásia, defendida pelos médicos nazistas, para pacientes de manicômios. Com a máxima de que "na natureza, tudo que o não é adequado perece", Hitler e seu corpo médico tencionavam exterminar aqueles que apresentavam patologias e demais doenças mentais, com o fim de "melhorar" o povo alemão.

A arte é outro elemento utilizado como argumento de supremacia. Cohen busca mostrar um Hitler frustrado artística e intelectualmente, tratado por vezes como produtor de experiências amadorísticas no campo da pintura, decorrendo daí sua obsessão pela Antiguidade clássica. Dessa forma, sua busca incessante pela arte greco-romana, síntese, para ele, dos ideais espartanos, atenienses e romanos, fez com que tratasse esta como a expressão de uma raça superior (a arte seria uma evidência da superioridade intelectual, física e moral destes povos) e rebaixasse, por conseguinte, as artes modernas, abstratas, disformes e subjetivas, como inferiores, degeneradas, fruto de seres subalternos e medíocres.

Vemos, desta forma, a construção de um discurso estético/biológico, engajado em promover aquilo que é sadio (a arte sadia, o povo sadio), em detrimento daquilo que é degenerado, doente. Esse discurso vai promover diversos atos deploráveis, entre eles, a solução final, o Holocausto, a grande eutanásia de um povo inferior, degenerado e doente (na concepção dos nazistas): o povo judeu.

O documentário de Cohen vai conseguir absorver todos esses elementos, utilizando, sempre, de sua crítica mordaz e sarcástica sobre as manias de grandeza do führer que queria ser artista, mas que viu-se frustrado como um pintor medíocre.

Baixe o documentário - Clique aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro - "A vida Verdadeira de Domingos Xavier", de José Luandino Vieira

Educação doméstica X Educação escolar no Brasil: desafios, conflitos e perspectivas.

Filme - A Vida é Bela.