Filme - Thor e o mundo sombrio.




Profº Gesner Santana
Redação d'O Historiante

Seres mitológicos ou extraterrestres? Esta é a proposta e a grande questão do mais novo filme do Universo Marvel que usa e abusa de referências e personagens da mitologia nórdica. Apontando para uma realidade mais usual esta nova aventura serve como ligação entre os acontecimentos do primeiro filme (Thor) e do desenrolar da ação exposta em Vingadores. Tentando (e conseguindo) um nexo para a utilização de lendas e seres fantásticos, este novo filme nos apresenta em maiores detalhes algumas visões sobre este mundo fantástico das histórias do deus do trovão e seu “irmão” esperto, além de uma maior abordagem aos outros deuses/personagens.

De uma forma mais simplista podemos entender a mitologia como sendo uma explicação para o inexplicável. “Como surgem os trovões?”. “Por que a colheita deste ano foi tão fraca?”. Algo que os homens à sua época (vamos nos situar em algo referente à Idade Média, Islândia) não sabiam responder, assim, grosseiramente surgiram os seres mágicos, os deuses e contos mitológicos como uma forma legítima de interpretação e resposta. A mitologia nórdica (escandinava) apresenta características singulares e interessantes. É preciso deixar claro que o filme em questão, é uma adaptação feita através da leitura das lendas nórdicas, escritas e pensadas para darem certo mercadologicamente falando, por seus desenvolvedores na chamada “era de prata” dos quadrinhos americanos.

O universo Marvel, capitaneado pelo pai dos nossos heróis mais conhecidos, Stan Lee, aproveitou e tomou como referência as histórias e contos nórdicos para criar sua própria interpretação de um Thor e de um Odin caolho. Um exemplo claro é o próprio Thor, que nas telonas e quadrinhos é um galã loiro e que parece ter saído de um romance escrito por algum autor inglês, quando em contrapartida as anotações e escrituras mais conhecidas sobre Thor o filho de Odin, apontam o rapaz como um homem mediano de cabelos vermelhos, o famoso ruivo.

O filme serve como ponto de partida para um maior aprofundamento no vasto campo dos estudos mitológicos. É clara a separação entre os personagens das lendas e os personagens criados a partir destas lendas pela Marvel. Yggdrasil (Árvore do Mundo) é o ponto de convergência principal entre estas duas abordagens. O mundo, ou os mundos são apresentados ao grande público através da representação da grande árvore da vida. O fluxo de viagens entre planetas e civilizações dá a entender, inicialmente, de que se trata da mesma leitura. Mas, é no desenvolvimento dos personagens que fica mais clara a separação e arranjo feito para encaixar-se ao roteiro perfeitamente, primeiramente nos quadrinhos, e que foi largamente utilizado para os filmes.

No filme tanto Thor, Odin, Friga, Loki são representados de forma a se aproximarem de uma grande família, deuses, porém que partilham das mesmas “picuinhas” dos humanos. A ganância de Thor, a benevolência do Pai de Todos, a amabilidade de Friga para com os filhos tão diferentes e rivais, a sagacidade impetuosa de Loki, são a clara anedota para uma adaptação dramática e até batida e revisitada outras vezes, em outros contextos. Enquanto para a mitologia Odin é o deus da guerra (a paz não é seu interesse), Friga é quem governa em Asgard (morada dos deuses), Loki é brincalhão e pai de muitas calamidades, sendo inclusive inexistente alguma referência a ele sendo filho de Odin e por fim Thor, o que ajuda os homens na terra, um meio termo, assim como Hércules, o grego.

Para entender a noção de seres de outro mundo dada aos habitantes de Asgard no filme, é preciso ser conhecedor das fábulas cinematográficas criadas pela Marvel. Como se fosse normal um homem transformar-se em uma fera verde (Hulk, esmaga!), quando Thor chega à Midgard (Terra dos homens) ele é tido como um corpo estranho um visitante de outro planeta, nada relacionado aos deuses fantásticos das lendas. E fica aí a separação para nós que vamos além da película. O filme funciona muito bem, é divertido, tem humor na hora certa e a ação é muito legal. Chegamos ao fim com a noção agora básica que os deuses nórdicos não são tão deuses assim. Recomendo.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livro - "A vida Verdadeira de Domingos Xavier", de José Luandino Vieira

Educação doméstica X Educação escolar no Brasil: desafios, conflitos e perspectivas.

Filme - A Vida é Bela.