Petrolina alvo da intolerância religiosa

Imagem: Mãe D'Água. Foto do jornal Gazzeta.



Prof.ª Josi Brandão
Redação d'O Historiante. 


Recentemente na cidade de Petrolina, no estado de Pernambuco, uma escultura representando a Iara, Mãe d’Água, do artista Ledo Ivo, foi colocada sobre as águas do rio São Francisco, e tem sido motivo de uma celeuma religiosa.

A justificativa dada a todo conflito foi que a prefeitura fez um investimento público para tal imagem, mas em meio às discussões, o que se viu foi um movimento motivado pela intolerância religiosa, onde estes mesmos grupos exigiram a retirada da escultura, alegando que era uma afronta à sociedade, já que seria uma obra do candomblé, chamaram-na de aberração, como se aberração maior não fosse o próprio preconceito e a ignorância, já que Iara, a Mãe d’Água, é uma figura folclórica de beleza fascinante que vive nas águas e  seduz os homens com sua formosura e sua voz, sem referência  ao Candomblé.




Fato curioso é que o mesmo artista da obra “demoníaca” também fez outra escultura de cunho religioso e ninguém a questionou, já que era uma Bíblia, logo, questiono: se podemos ter um símbolo cristão, nada impede que outras religiões possam se expressar livremente; a cidade é de todos, para todos, sem exclusões. Não podemos esquecer que vivemos em um Estado laico e todas as religiões tem de ser respeitadas. Todos têm o direito ao mesmo tratamento.

É incrível como em nome de uma convicção religiosa pessoas pregam a intolerância e desrespeitam o direito de exercer livremente sua religiosidade e de expressá-la, propagando a demonização da escultura, impondo-se como baluartes da moral e dos bons costumes, esquecendo que bons costumes também implicam respeito. Como se ainda estivéssemos no período medieval, onde a Igreja perseguia quem não concordasse com ela. O horror gerado nesse período, que levou milhares de pessoas a fogueira e a tortura, não devia ser esquecido nunca, para que possamos alertar as pessoas como o mau uso da religião pode ser muito maléfico a sociedade, que religião não pode ser uma imposição, para isso basta de fundamentalismo religioso.


Comentários

  1. Espero que este acontecimento tenha levado a muitas pessoas a pensar sobre a questao... parabéns pelo texto Josi

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Livro - "A vida Verdadeira de Domingos Xavier", de José Luandino Vieira

Educação doméstica X Educação escolar no Brasil: desafios, conflitos e perspectivas.

" Todos iguais... uns mais iguais que os outros"